Bem vindo(a) a eucorro.com!

Novidades


QUINTA-FEIRA, 10 DE SETEMBRO DE 2015

Brasileiros na meia de Buenos Aires





Meia de Buenos Aires - Largada - Amplie
Meia de Buenos Aires - Largada
A cada dia o crescimento dos eventos de corrida de rua me impressiona, principalmente quando se fala em provas maiores como meia maratona ou até maratonas. No último domingo (13/09) a meia maratona de Buenos Aires alcançou o posto de maior prova da América Latina. E o mais bacana de ver que em meio aos mais de 19 mil concluintes lá estavam nossos amigos corredores do Clube Ingá de Maringá.

Em meio aos vários de atletas de elite, estava um dos nossos melhores fundistas, JOSÉ ERALDO DE LIMA que sempre se apresenta muito bem em provas da região, desta vez se aventurou em uma prova internacional. Mesmo com algumas dificuldades durante a prova, finalizou entre os dez melhores e foi o primeiro brasileiro a cruzar a linha de chegada. De Lima num breve relato nos conta um pouco do que foi sua experiência nas terras dos Hermanos.

Largar com mais 80 atletas inscritos só na elite foi indescritível, desde o momento da inscrição já se tinha uma ideia que seria a melhor e maior meia maratona que eu participaria, sempre muito bem atenciosos e tudo muito bem organizado, ao retirar meu kit já descobri que não seria uma prova fácil em termos de competidores, pois essa prova é a grande final do campeonato argentino de meia maratona, onde os 4 melhores da cada província são convocados.


José Eraldo de Lima - Amplie
José Eraldo de Lima
Não tive dificuldade na largada e achei incrível como tudo funcionava muito bem, comecei a estudar meus adversários e cheguei a acreditar que poderia ficar entre os cinco primeiros, o clima agradável e o percurso plano ajudou bastante, porém na única subida que teve no km7 senti uma forte da dor na panturrilha e cheguei a pensar em parar, porém logo desisti dessa ideia, afinal de contas eu estava entre os primeiros já que prova contou com aproximadamente 23mil inscritos.

Eu sempre gostei de correr meia maratona porque consigo fazer o "splint" negativo (fazer a segunda parte mais forte que a primeira), por causa da dor não consegui reagir mas consegui manter o ritmo, para a minha surpresa vi que aos poucos eu me aproximava de dois competidores que havia me ultrapassado no momento que eu diminui por cauda da dor, aproximadamente no km 18 consegui ultrapassa-los e ganhar duas posições, sendo décimo colocado geral, com o tempo de 1h09m06s, não foi um tempo excelente mas gostei do meu tempo, quero muito poder voltar lá e correr perto do meu melhor que é de 1h03m48s, assim teria mas chance de brigar por um pódio. Fiquei feliz por cruzar a linha de chegada sendo o melhor brasileiro e primeiro estrangeiro a cruzar a linha de chegada e mais feliz ainda foi ver os participantes do clube Ingá cumprir suas metas pessoais.

José Eraldo de Lima - Atleta
Treinador do Clube Ingá de Corrida de Rua

E quem também foi experimentar o gostinho de uma prova gigantesca foi o casal MARQUES RIBEIRO. Ela totalmente "contaminada" pelo vírus da corrida e já em sua segunda meia maratona. Ele, surpreenda-se, Manuel que começou a correr a tão pouco tempo, com uma agenda de médico pediatra (dia, noite, madrugada...doutor meu filho tá chorando e não consigo fazer ele parar...hahaha), ao meio a tudo isso conseguiu arrumar horário para treinar (quando a gente quer tudo é possível), foi lá e concluiu. Mas nada melhor do que ouvir quem vivenciou este momento, por isso abrimos aspas aos casal corredor. As damas primeiro:

Correndo há quase 2 anos escolhi a meia maratona de Buenos Aires para ser a minha primeira prova devido à fama de ser uma das melhores da América Latina....mas acabei antecedendo e fiz a meia maratona de Maringá.


Kezia de Oliveira - Amplie
Kezia de Oliveira
Foi inexplicável correr com tanta gente do início ao fim e em nenhum momento me senti sozinha. Recebia estímulos à cada km...Correr uma meia maratona internacional usando a camiseta do Clube com as cores do nosso país foi demais! Queria poder explicar esse sentimento com palavras, mas é uma missão impossível!

Correr me faz querer viver mais, muito mais... Que todos possam ter essa experiência única um dia na vida!

O meu objetivo nessa prova era fazer um tempo um pouco menor que a primeira que conclui. E consegui, foram 8 minutos e 4 segundos a menos, meu recorde pessoal 1h49m13s.

Queria agradecer aos meus treinadores Lilian e Eraldo e a minha personal Thais Sabóia que tiveram muita responsabilidade em montar treinos específicos em 28 dias para que eu concluísse a prova com êxito! Obrigada amigos do Clube Ingá pelo apoio, pelos treinos! Agradeço em especial ao meu amigo Americo e Alfredo pela cia e por me passarem a experiência de vocês durante os longos de final de semana.

Ao meu marido Manuel que me encheu de orgulho quando o encontrei entre a multidão (quase 23 mil corredores) com a medalha no peito! Você acreditou e conseguiu!

Obrigada a família eucorropontocom pela parceria com a corrida de rua de nossa cidade.

Kezia de Oliveira - Enfermeira - Mestre em Enfermagem

Correr a meia maratona de Buenos Aires foi um desafio, na verdade começar a correr!

Comecei a correr há 4 meses sem a pretensão de ir tão longe! Em um churrasco realizado pelo Clube Ingá de Corrida onde a minha esposa Kezia corre praticamente desde a fundação do Clube e neste dia conversando com o querido amigo Americo corredor exemplar e apaixonado pelo esporte surgiu o assunto com ele de que iria começar a correr e falei que iria concluir a meia maratona de Buenos Aires junto com a Kezia mas ele não acreditou em mim não (rsrsrs) pois na verdade eu ainda nem corria só fazia caminhadas para poder perder peso e academia.


Manuel Marques Ribeiro e a esposa Kezia - Amplie
Manuel Marques Ribeiro e a esposa Kezia
A partir desse dia entrei no Clube e comecei a minha preparação! Não foi fácil pois sou Medico e trabalho de segunda a segunda, não tenho horários para manter uma rotina certinha de treinos. Então tive que ter muito estímulo, incentivo, força de vontade e determinação! Mas isso com a esposa apaixonada por corrida e com todos do clube me apoiando não teve erro! No Clube temos todos os tipos de corredores então cada um pode contribuir para que eu não desistisse.

Meu objetivo era fazer os 21km, completar a prova sem andar e sem dor. Consegui e ainda em um pace ótimo e um tempo excelente de 2h07m44s para quem só está correndo há 4 meses.

Correr com 19.051 pessoas ao meu lado foi uma emoção sem fim, às vezes eu nem acreditava que estava ali.

Tinham 54 países participando. O percurso foi muito bom, ruas largas, sinalizada, com poucas subidas porém no 7km a subida me matou e no 17km ela parecia não ter fim rsrs... Mas com as técnicas que aprendi no clube com os treinadores eu fui até o fim. O percurso passava por quase todos os pontos turísticos da cidade muito lindo de se ver. A cada 3 km tinham postos de água/gatorade/banana/laranja tudo muito bem organizado. O clima estava agradável nem frio e nem calor. Por onde passávamos era uma multidão! Escutei por várias vezes corredores brasileiros gritando VAI BRASIL isso me estimulou muito.


Manuel na chegada - Amplie
Manuel na chegada
Corri com pessoas mais velhas ao meu lado, jovens e muitas pessoas especiais.

Finalizei a prova com muito orgulho de mim e com novos objetivos para a próxima fazer abaixo de 2 horas.

Já estamos planejando a próxima viagem!
E que venham novos desafios!

Queria agradecer pelo apoio aos treinadores Eraldo e Lilian, ao meu personal PG, a minha nutricionista Michelle Tsukada, a todos os amigos do Clube Ingá pelo apoio e a cia maravilhosa do casal Bainha e Daniela que tornaram a nossa viagem animadíssima. E a minha querida esposa Kezia por não ter me deixado desistir.

Agradeço aos amigos Sandro Cabral e Carlos Novais por representarem tão bem a nossa cidade nas corridas de rua. Vocês são fera na fotografia!

Correr é vida, me sinto vivo!

Manuel Marques Ribeiro - Médico Pediatra
Chefe da Pediatria da Santa Casa de Maringá

Para quem está acostumada a competir, entrar em uma prova diferente e na condição de apenas mais uma participante, foi uma algo inesquecível para LILIAN LEONEL. Ela compartilha conosco toda a sua experiência em Buenos Aires num relato muito descontraído e divertido. Confira:

O que dizer dessa experiência? Não tenho palavras para descrever porque sentimentos não se descreve no entanto vou tentar resumir minha participação nessa que foi a melhor prova que fiz em toda minha vida.

Como eu tinha tempos comprobatórios, me inscrevi e larguei no pelotão de elite, porém não tinha nenhuma pretensão de correr forte, até porque não aguentaria rsrsrs!!.. Mesmo que eu fizesse o melhor tempo da minha vida que é de uma hora vinte baixo ou o meu último resultado recente que é de 1:25:alguma coisa, eu não conseguiria subir ao pódio e minha medalha seria a mesma da quarta colocada ou a de última, então para que sofrer né rsrs...?


Lilian Leonel - Foto: Arquivo Pessoal - Amplie
Lilian Leonel - Foto: Arquivo Pessoal
Larguei com a intenção de me divertir, correr sem sofrer, logo que deu o sinal de largada já sai fraquinho, então a única coisa que poderia me acontecer era eu ser ultrapassada já que eu larguei na frente de todos, e foi o que aconteceu, fui ultrapassada por uma multidão que me carregava como se fosse uma onda azul, muito lindo, ninguém se trombava, ninguém caia, não precisava desviar de ninguém, e todos corriam ritmados, foi inimaginável , eu estava amando aquilo, comecei a olhar para trás para tentar encontrar a Kezia e puxar ela ..mas era impossível até porque todos estavam de azul rsrs...

Foi incrível a diferença entre competir e correr, eu olhava para frente e enxergava uma multidão olhava para trás e era uma multidão maior ainda. Todos conversando uns com os outros, incentivando-os, um puxando o outro e ninguém tentando ganhar de ninguém como sempre foi nas minhas corridas.

Teve um momento que achei muito engraçado, coisa que jamais viria se estivesse competindo para valer, perto do km10 eu ouvia passos se aproximando em um só ritmo, todos compassados certinho, olhei do lado para ver o que era aquilo, e era nada mais que o atleta que corre como pace, com a plaquinha amarrada na cintura com um "varão" ao alto de sua cabeça escrito: PACE 4'30", e as pessoas se juntava perto dele como se fosse formigas em cima do doce kkk..e ninguém saia de perto dele, eram muitas pessoas, e todos se ajudavam, indescritível, e eu só observava de perto, olhava para todos os lados, comtemplava todos os pontos turísticos, percebia cada detalhe, ao longo do percurso a organização colocou arquibancadas no meio das calçadas as pessoas que estavam passando por ali, paravam e assistiam, eu pensei como deve ser lindo parar e assistir tudo isso, depois pensava como é lindo fazer parte disso, o que me deixou ainda mais surpresa é que eu conseguia correr certinho no mesmo ritmo o tempo todo, sem quebrar rsrs.. porque havia comigo mais de mil "coelhos" puxando, as pessoas faziam amizade durante a corrida, contava onde já correram e onde pretendem correr, escutavam músicas com volume alto, e eu escutando tudo rsrs.. depois no km 15 sem perceber eu comecei passar as pessoas, até então eu só havia sido ultrapassada, quando eu comecei a ultrapassa-las percebi que algumas começaram a vir no meu ritmo, me senti útil naquele momento por poder contribuir um pouquinho naquela linda festa, terminei praticamente no mesmo ritmo que comecei, nunca vi 21km passar tão rápido, rsrs, foram quase 15min mais lento que o meu melhor tempo, mas foram as uma hora e trinta e sete minuto mais emocionante e divertida da minha vida como atleta, descobri como é ser bom atleta amador! Como é bom correr por prazer sem obrigação...me sentindo super feliz e satisfeita com minha participação.

E só consegui encontrar a Kezia só no final mesmo rsrs!!..terminei em 89ª no feminino, 13ª na minha categoria com o tempo de 1h37m22s... mas agora percebo que o tempo e a classificação é o que menos me importa nessa prova!

Lilian Leonel de Lima - Atleta
Treinadora do Clube Ingá de Corrida de Rua

É isso pessoal, esperamos sempre que as histórias compartilhadas aqui possam inspirar aqueles que ainda não foram "picados" pelo bicho corrida. Finalizamos esta postagem com a imagem dos brasileiros e maringaenses presentes na meia maratona de Buenos Aires. Parabenizamos a todos pela viagem fantástica que fizeram e pela participação naquela que se tornou a maior de toda a América Latina, aguardamos agora qual prova irá quebrar esse recorde.


Representantes de Maringá: Eraldo, Lilian, Manuel, Kezia, Bainha e Daniela - Foto: Arquivo Pessoal
Representantes de Maringá: Eraldo, Lilian, Manuel, Kezia, Bainha e Daniela - Foto: Arquivo Pessoal




 COMENTÁRIOS (0)

Faça seu login no topo da página para enviar seu comentário, se você ainda não é cadastrado clique aqui.